As incríveis PANCs e o Terra Madre Day

Ontem tivemos a alegria de participar de um dos encontros do Terra Madre Day, em São Paulo (SP). Organizada mundialmente pelo movimento Slow Food, trata-se de uma celebração do alimento local, que se realiza todos os anos no dia 10 de dezembro. Uma oportunidade para refletir sobre o impacto ambiental dos hábitos alimentares e, mais que isso, de agradecer à mãe-Terra por todos os alimentos que ela nos provê, com direito à uma diversidade infinita de nutrientes. Qualquer um pode participar ou organizar um evento, pois, juntos, e em diversos cantos do mundo, podemos demonstrar que uma revolução alimentar global se assenta em raízes locais.

as-sementeiras
O passeio começou pela Horta Comunitária City Lapa e depois seguiu pelas ruas e praças do bairro

E como a edição deste ano do Terra Madre Day teve como foco os alimentos locais em risco de extinção, a proposta do encontro que participamos em São Paulo foi caminhar pelo arborizado bairro da Lapa, na zona Oeste, em busca das PANCs, as incríveis Plantas Alimentícias Não-Convencionais, e também das convencionais encontradas em espaços não convencionais. Confesso que fiquei impressionada com a quantidade de alimentos, entre folhas, flores, frutos, sementes e raízes, que pudemos coletar pelas ruas do bairro.
São plantas que, por serem tão bem adaptadas ao clima, quase não precisam de cuidados ou manejo, podendo ser plantadas em qualquer rua, quintal ou apartamento. São plantas que nascem, muitas vezes, espontaneamente em lugares não convencionais, daí sua denominação. Para quem se interessar pelo tema, a Editora Plantarum lançou um manual das PANCs, que está disponível no site da editora.

_DSC9519
Reunidos para preparar os alimentos

A seguir, compartilho as fotos (clique para ampliar) de algumas PANCs que consegui registrar durante o passeio (confira mais fotos em nosso álbum do Facebook). No final, pudemos levá-las para a casa da Neide Rigo, do blog Come-se, onde prepararamos alguns pratos com os alimentos coletados.

Foi um passeio incrível! Gostaria de agradecer também ao Guilherme Ranieri, do blog Matos de Comer, que gentilmente compartilhou seus conhecimentos no tema durante o encontro. Aliás, tanto o blog Come-se como o Matos de Comer são ótimas dicas para quem está interessado em renovar e diversificar o cardápio introduzindo algumas PANCs na alimentação. Gratidão também à artista plástica Marcela Arantes, que proporcionou uma oficina de desenho e aquarela para o registro de algumas das plantas.

A guasca (Galinsoga parviflora), que depois virou uma deliciosa sopa com batata doce
A guasca (Galinsoga parviflora), que depois virou uma deliciosa sopa com batata doce
Sopa de guasca com batata dice
Sopa de guasca com batata doce
Leucena (Leucaena leucocephala): suas sementes são uma delícia
Sementes de leucena: um leve gosto de alho e um ótimo ingrediente para saladas
Sementes de leucena, também conhecidas como guajes: um leve gosto de alho e um ótimo ingrediente para saladas
Pepininho silvestre (Melothria fluminensis)
_DSC9308
Stachys lanata, mais conhecida como peixinho. Empanada e frita é a forma mais conhecida de preparo
Ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata), riquíssima em nutrientes
Ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata), riquíssima em nutrientes
Cipó de alho (Mansoa Alliacea): quando maceradas, suas folhas são um ótimo tempero. Tem um cheiro semelhante à guacamole.
Cipó de alho (Mansoa Alliacea): quando maceradas, suas folhas são um ótimo tempero. Tem um cheiro semelhante à guacamole.
Alho silvestre
Alho silvestre (Nothoscordum gracile)
Mastruço ou mostarda do mato (Lepidium virginicum)
Mastruço ou mostarda do mato (Lepidium virginicum)
Cozidos ou em conserva, os brotos das folhas da araucária são deliciosos
Cozidos ou em conserva, os brotos das folhas da araucária (Araucaria angustifolia) são deliciosos
Salsão silvestre (Apium leptophyllum)
Salsão silvestre (Apium leptophyllum)
A aquarela de Marcela Arantes
A aquarela de Marcela Arantes
Minha tentativa de pintar algumas espécies
Minha tentativa de pintar algumas espécies
Anúncios